"Es necesario liberarse de la fundamental incapacidad humana que constituye el egoísmo materialista."
Aldous Huxley

AVISO IMPORTANTE SOBRE LA DESCARGA DE LIBROS DE CONTENIDO ESPÍRITA GRATIS

Ponemos en conocimiento de todos nuestros amables lectores que pueden descargar gratuitamente libros de contenido doctrinario, como las obras fundamentales de la Codificación Kardeciana y de otros destacados autores del pensamiento filosófico espírita en los siguientes enlaces:
www.andaluciaespiritista.es
http://www.progresoespiritismo.org/
Y para conocer de eventos y noticias de actualidad en el ámbito espírita recomendamos América Espírita Newsletter de la CEPA, en le siguiente enlace:
http://americaespirita.blogspot.com/
Saludos.

EL POR QUÉ DE UN NUEVO BLOG

Después de abrir y mantener actualizados los blogs: CULTURA Y DIVULGACIÓN ESPÍRITAS y CENTRO VIRTUAL DE ESTUDIOS

ESPIRITISTAS Y AFINES, para la formación doctrinaria dentro de los postulados eminentemente racionalistas y laicos de la filosofía espírita codificada por el Maestro Allan Kardec que exhibe la Confederación Espírita Panamericana, a la cual nos adherimos, creímos conveniente abrir un nuevo Blog de un formato más ágil y que mostrase artículos de opinión de lectura rápida, sin perder por ello consistencia, así como noticias y eventos en el ámbito espírita promovidos por la CEPA, a modo de actualizar al lector.
Esa ha sido la razón que nos mueve y otra vez nos embarcamos en un nuevo viaje en el cual esperamos contar con la benevolencia de nuestros pacientes y amables lectores y vernos favorecidos con su interés por seguirnos en la lectura.
Reciban todos vosotros un fraternal abrazo.
René Dayre Abella y Norberto Prieto
Centro Virtual de Estudios Espiritistas y Afines "Manuel S. Porteiro".



jueves, 4 de octubre de 2012


2012
Y LOS FALSOS PROFETAS
por
JACQUES PECCATTE
E D I T O R I A L

LE JOURNAL SPIRITE N° 78 OCTUBRE 2009


“¡Según el decir de varios oráculos, el
fin del mundo estaría previsto para el
2012! El calendario maya se acaba el
21 de diciembre de 2012, fecha que
indica un cambio radical y global a
escala mundial. Será el fin del mundo
o el fin de un mundo…
Asistiremos a una actividad excesiva del sol, a
numerosas catástrofes naturales y guerras… La Tierra
cambiará el eje y su campo magnético se invertirá,
la Tierra se saldrá de su órbita… Los extraterrestres
descenderán sobre la Tierra y se llevarán a los
mejores de nosotros… Los mayas han profetizado los
acontecimientos, Nostradamus igualmente, la Biblia
también anuncia el fin del mundo…”
Así pues resurgen las profecías milenaristas entre los
aficionados al esoterismo que nos reinventan el fin del
mundo o el advenimiento de una nueva era. Los autores
son prolijos, y cada uno en su versión anuncia lo mejor
o lo peor, según su grado de optimismo o de pesimismo.
Las grandes profecías están de vuelta, a pesar de los
repetidos fracasos del pasado y, puesto que el año 2000
no produjo nada de particular, se ha encontrado otra
fecha tope cuyo vencimiento habrá que volver a retrasar
cuando después del 2012 hayamos comprobado que, ni
la transformación radical de la humanidad, ni el fin de
un mundo, están inscritos en las cifras.
Algunos seres humanos se complacen jugando con
las fechas, como si simples cifras pudieran tener el
menor significado. Soñamos con que los calendarios
son diferentes según las civilizaciones y, por ejemplo,
la era cristiana sitúa el año cero en el presunto año del
nacimiento de Jesús (que por otra parte es inexacto)
mientras que el antiguo calendario chino comienza en
el 2637 antes de nuestra era. Buscando en el calendario
maya se han encontrado nuevas fuentes anunciadoras
de predicciones de fechas, que esta vez no corresponden
más que a cifras redondas como el año 1000 o el año
2000, una vez llevada la fecha al calendario cristiano.
Como último recurso, se buscan fechas más exóticas
en otras civilizaciones, olvidando simplemente que
las grandes fechas no han sido más que convenciones
arbitrarias según los puntos de partida de calendarios
que son diferentes según las culturas. Estas fechas
son sólo hitos históricos que nos facilitan la vida, así
el calendario cristiano nos permite ubicarnos en los
períodos de la historia con números de los siglos antes
y después de Jesucristo. Pero es muy evidente que si
quisiéramos fechar la historia a partir de la aparición
de los primeros hombres, tendríamos que contar varios
millones de años sin conocer exactamente su comienzo.
Es así, algunos seres humanos siempre han tenido
esa necesidad de mezclar la metafísica o la
búsqueda espiritual con datos cifrados, astrológicos o
numerológicos, como si el mundo y la vida pudieran
descifrarse a partir de convenciones aritméticas
que nosotros mismos hemos fabricado. Es así como
ha vivido el esoterismo, tratando siempre de hacer
coincidir el estado intelectual y moral de la humanidad,
con cálculos que no tienen ninguna relación con la
psicología humana. Y además, el ser humano siempre
ha necesitado ser tranquilizado acerca de su porvenir,
de allí esa curiosidad por los datos proféticos que
estarían inscritos en las conjunciones astrales o en los
misterios de los calendarios.
Como espíritas, evidentemente estamos lejos de esas
consideraciones esotéricas de otra época, pero todavía
necesitamos repetirlo y justificarlo… En efecto, en la
percepción común y errónea del espiritismo, la gente
siempre hace la amalgama con la magia, la astrología, el
ocultismo y todas las variantes del esoterismo. Prueba
de ello es que regularmente nos plantean preguntas
muy en serio respecto a la inminencia del 2012, como
si los espíritas debiéramos estar mejor informados
que los demás sobre lo que se ha convertido en una
certeza… ¡sí, la certeza de un gran descalabro en el
2012! “Y ustedes, los espíritas, ¿qué precisión adicional
nos pueden dar sobre el 2012? ¿Qué predicen los
espíritus? Etc.” Se nos hace la pregunta como si se
tratara ya de una evidencia para todo el mundo, y sobre
todo para nosotros… pues estamos asimilados a un
movimiento esotérico como los demás, y naturalmente,
pues, deberíamos estar en primera línea en esta esfera
de influencia profética.
Cuando damos algunas explicaciones acerca de lo que
es el espiritismo y sobre todo acerca de lo que no es,
la gente a veces queda decepcionada, pero la mayoría
de las veces se tranquiliza cuando comprende que el
espiritismo es asunto de responsabilidad y libertad, al
margen de toda predicción buena o mala. En todo caso,
eso significa que el espiritismo no es lo suficientemente
conocido por la imagen de lo que es, pues tiene aún la
representación indefinida de una nebulosa mística
o mágica. Por otra parte, algunos malos
adeptos del espiritismo mantienen la
confusión, lo cual puede comprobarse en
varios sites de Internet donde todos los
conceptos espíritas, esotéricos y ocultos
son mezclados alegremente sin distinción,
con una total ignorancia de los principios
fundamentales de la filosofía espírita.
LA NECESIDAD DE ADIVINACIÓN

Ante sus torpezas existenciales, el ser humano ha
necesitado con frecuencia de la magia, la adivinación y
la predicción, ya sea para tranquilizarse, o para producir
espanto, como en las películas de ciencia ficción.
Si bien el pensamiento mágico ha sido sustituido por
el pensamiento racional, no se puede impedir que
las viejas creencias resurjan como para expresar una
búsqueda espiritual mal definida. El espiritismo había
llegado para reconciliar la ciencia y la fe, lo racional y lo
irracional, dentro de una complementariedad filosófica
donde el corazón se unía a la razón; pero con frecuencia
se prefiere distraerse con cuentos de nunca acabar para
soñar y espantarse con los grandes misterios.
Sabemos que si la evolución del mundo siempre ha
sido caótica, sin duda lo será todavía mucho tiempo
más antes de que una sociedad globalizada alcance
la armonía deseada. El progreso del género humano
no será dominado por grandes fechas, sino por la
evolución general en los planos intelectual y moral. De
modo más inmediato y sin hacer pronósticos, estamos
evidentemente en un momento decisivo en lo que se
refiere a las finanzas, la economía, la ecología y la política
mundial. Luego de la crisis financiera que ha debilitado
los equilibrios mundiales, estamos esperando una nueva
situación a sabiendas de que las finanzas y la economía
muy bien podrían volver a caer en los extravíos del
pasado sin que nadie extraiga la más mínima lección
de los hechos recientes. Si la recuperación esperada se
cumple sobre las mismas bases con un sistema bancario
idéntico, será sólo una reactivación destinada al final a
las mismas consecuencias.
Dentro de la perspectiva más optimista, se podría
esperar un cambio radical del funcionamiento de las
finanzas mundiales por un nuevo sistema económico
todavía inédito. Y se podrían situar entonces las
transformaciones más importantes a fines del 2012,
de modo que los milenaristas se saldrían con la suya
diciendo: “¡Vean que ha pasado tal cosa excepcional!”
Si hiciera falta que esta simple hipótesis se convirtiera
en realidad, eso no sería de todos modos más que
un desarrollo progresivo que se decide en un período
de varios años. Y si verdaderamente importara que el
año 2012 representara un momento decisivo para la
humanidad, sólo sería un azar del calendario. Deseemos
pues que a la vista del 2012, sobrevengan cambios
significativos, pero es sólo un deseo, desdichadamente
muy frágil y que no tiene nada de profético…
En cuanto a los trastornos astronómicos a nivel
del sistema solar tal y como se proyectan en estas
predicciones, no tienen como fuente más que la
imaginación de algunos iluminados. Y aun cuando hubiera
alguna modificación del campo magnético terrestre o
alguna erupción solar, esos no serían sino fenómenos
conocidos, independientes de la situación espiritual de
la humanidad en su conjunto. Se mezcla todo como para
dar testimonio de un castigo divino que se traduciría en
cataclismos, con el salvamento por los extraterrestres de
los humanos más meritorios como premio…
Olvidemos pues todos estos cuentos fantásticos,
dejemos la ficción a las creaciones literarias y al séptimo
arte, y volvamos a los valores que hacen nuestra filosofía.
A pesar de los tormentos de una humanidad en busca
de sentido, dirijamos todas nuestras esperanzas a un
futuro por construir. El espiritismo deberá encontrar
allí su lugar, continuando su lucha dentro de su
participación en el mundo por medio de la oración, la
acción del pensamiento, la toma de conciencia y la
enseñanza de sus principios capaces de conducir a la
humanidad hacia otros horizontes.

miércoles, 3 de octubre de 2012

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

OPINIÃO - ANO XIX - Nº 201 - OUTUBRO 2012


Carta de Santos, documento oficial do XXI Congresso Espírita Pan-Americano, propõe uma visão dinâmica da reencarnação. Destaca os fins pedagógicos e progressistas da palingênese espírita, aptos a oferecer um novo paradigma de conhecimento à Humanidade.

Uma síntese da contribuição de cerca de 50 trabalhos
Provavelmente, nunca na história do espiritismo mundial um evento tenha examinado o fenômeno da reencarnação de forma tão abrangente como o XXI Congresso Espírita Pan-Americano, promovido pela CEPA, na cidade de Santos/SP, de 5 a 9 de setembro último. Foram: três mesas redondas, composta cada uma delas de três expositores; uma conferência pública; 37 trabalhos no Fórum de Temas Livres e uma Oficina Temática em grupos com participação ativa de todos os congressistas. Resultado de tão vasta contribuição, a Carta de Santos sintetizou o que se pode chamar de uma visão moderna, livre-pensadora e progressista da reencarnação. Marcando posição, o documento destaca: “Diferentemente de antigas crenças, como a da metempsicose, ou de algumas concepções ainda vigentes em doutrinas reencarnacionistas que se dizem inspiradas no cristianismo, no hinduísmo ou em outras concepções religiosas do mundo atual, a palingênese espírita defende que o espírito reencarna para progredir e não para resgatar culpas”.

Estatísticas e experiências abonam a reencarnação
O documento faz referência às estatísticas comprobatórias da crescente aceitação da tese reencarnacionista no mundo inteiro. Alude também a pesquisas de episódios de recordações espontâneas de prováveis vidas passadas, especialmente em crianças, assim como à larga utilização de hipnoses regressivas e fenômenos mediúnicos sugerindo a reencarnação. Experiências sérias nessas áreas já oferecem rico manancial de estudos com bom suporte fático à teoria reencarnacionista. A Carta de Santos identifica nessas manifestações um movimento que vem ao encontro da proposta racional espírita, numa perspectiva contemporânea, progressista, laica e livre-pensadora.
Um novo paradigma e não mais um artigo de fé

 Com esses fundamentos, o documento entende que “é possível, no presente estágio cultural da Humanidade, apresentar a teoria reencarnacionista espírita como um novo paradigma filosófico e científico a merecer a apreciação, o estudo, o aprofundamento da pesquisa e a aplicação prática em todas as áreas do conhecimento e do agir humano”. Para tanto, contudo, será preciso oferecê-la “não mais como um artigo de fé religiosa, mas como conhecimento capaz de dotar o indivíduo e a sociedade de responsabilidade pessoal e coletiva sobre o progresso individual e social”. Temas como justiça social, ambientalismo, paz e fraternidade são apontados na carta como objetivos naturalmente viáveis, a partir do paradigma reencarnacionista.
Para conhecer o inteiro teor da Carta de Santos, acesse o site da CEPA – www.cepainfo.org - ou o blog da CEPABrasil www.cepabrasil.blogspot.com.br/.
  



Em vez de culpa, responsabilidade
Há quem julgue que se abstraindo o fator culpa-castigo da reencarnação, se a estará descaracterizando como instrumento de realização da justiça. Não é assim. Importa é substituir-se, mesmo que gradativamente, o velho conceito de culpa pelo de responsabilidade.

Errar é da natureza da alma humana, na busca do conhecimento. Mesmo assim, o erro sempre gera sofrimento. Nesse sentido, é correto afirmar que não há evolução sem dor. No processo de aprendizagem do espírito, toda e qualquer violação à lei natural, gravada que está ela na consciência mais íntima do ser, gera desconforto, inquietação, mal-estar. Tal estado psíquico provoca o impulso pela retificação. Eis o caminho do aprendizado. É nesse contexto que está inserida a reencarnação.

Já fomos, em outras eras, mais simplórios nessa reflexão. Criamos conceitos como “olho por olho, dente por dente”, “quem com ferro fere, com ferro será ferido”. Depois, a reencarnação punitiva. Era o inato desejo de justiça buscando caminhos. O cristianismo, com os conceitos de recompensa ou castigos eternos, admitira como possível o estado de felicidade que o “pecado original” teria derrogado. Mas, a bem-aventurança cristã alcançaria alguns apenas: os beneficiados pela graça. O moderno conceito de reencarnação está sintonizado com a vocação humana pelo crescimento. Cresce-se com o exercício do amor e do serviço, do trabalho e da solidariedade, da responsabilidade pessoal e social em prol da evolução e da felicidade a que todos temos direito.

Reconhecemos, em síntese, que crescer é um processo doloroso. Estaremos, no entanto, acrescendo a essa caminhada um inútil pedágio, se insistirmos em cultivar na alma humana o sentimento da culpa, como indispensável à evolução. Basta-lhe o senso da responsabilidade. Dela dotado, o espírito, saberá, encarnação a encarnação, melhor escolher alternativas, libertas do sentimento de autovingança. A ideia de que somente sofrendo o mesmo mal por nós cometido há de nos libertar da dor, além de expressar conceito divorciado dos nobres objetivos da vida, inocula no espírito perigoso vírus autodestrutivo. Gera estado patológico de difícil tratamento. Cria o círculo vicioso do mal que, assim, é promovido a instrumento de justiça.
Preferível aliar-se Justiça ao Amor e à Caridade, como nos propõe O Livro dos Espíritos. (A Redação).


Tempo de julgar
“O dinheiro é para o crime o que o sangue é para a veia.“
(Ministra Cármen Lúcia, do STF, no julgamento da Ação Penal 470)
Democracia só se aperfeiçoa com a prática. Justiça só será eficiente quando atingir a todos, indistintamente. O Estado Democrático de Direito, conquista da modernidade, vive, entre nós, ainda, um incipiente processo de maturação.
Por séculos, embora gritasse nas entranhas da alma popular uma imensa sede de justiça, os poderosos, empregando a força bruta, calcada nas riquezas usurpadas, subvertiam a ordem natural e impunham a submissão do mais fraco. Do direito da força a sociedade migrou para sistemas que consagraram o poder dos mais astutos, dos que desenvolveram a inteligência, mas não o senso moral. Guardava-se, quando muito, a aparência do direito, mas vivia-se distante da verdadeira justiça. A política, em nosso meio, ainda vive sob o estigma dessa fase. Dela herdou a preservação de odiosos privilégios, engendrados em formalismos aparentemente legais, mas feitos com o intuito de burlar a justiça. Ao lado de homens probos que buscam na política formas de realização do bem comum, outros, os maus políticos, violam despudoradamente a lei apostando na impunidade. Abrigam-se, muitas vezes no generoso regaço do próprio sistema legal, ainda imperfeito.

Mesmo que se reconheçam, nos dias que correm, fortes ações em prol da moralidade pública, o direito e a justiça ainda são gravemente violados por muitos daqueles que juraram defendê-los. Por trás disso, está sempre a ambição, expressão mais forte do egoísmo e do exacerbado materialismo. Nesse cenário, é gratificante se ver em curso um processo voltado a produzir radicais transformações. Quem sabe, estamos no limiar de uma nova fase da história institucional do país. Diferentemente do desejável, essa etapa não nos chega, ainda, pela rejeição, via voto eleitoral, de políticos indignos de seus cargos. A democracia ainda incipiente, aliada à deformação moral - por que não? – de considerável parcela do próprio eleitorado, nos obriga a conviver com políticos corruptos ou corrompidos pela ação nefasta de setores econômicos comprometidos com a criminalidade. As transformações sonhadas por homens e mulheres de bem, estão chegando, ao que parece, pela ação decisiva da própria Justiça, agora melhor aparelhada para punir atos de corrupção.

No momento em que é escrito o presente editorial, embora ainda distante de uma decisão final, o Supremo Tribunal Federal sinaliza pela aplicação de severas condenações, senão à totalidade, à maioria dos envolvidos no episódio de monumentais desvios de recursos públicos que passou a ser conhecido como “mensalão”. Essas sinalizações enchem de esperanças o povo brasileiro, autorizando, desde já, a interpretação de que o exercício da política, em nosso país, terá, nesse episódio, um divisor de águas. Nossa história política se dividirá entre antes e depois do “mensalão”. 

Concomitantemente, realizam-se, neste mês de outubro, no Brasil inteiro, eleições para os cargos executivos e legislativos municipais. É a vez de o povo julgar diretamente os pretendentes ao exercício de cargos públicos no âmbito de suas comunidades. Exercido que for esse direito com critérios verdadeiramente republicanos, estaremos, preventivamente, pondo nossos municípios a salvo da corrupção e das más administrações. É a democracia promovendo a justiça antecipada. Só essa estreita comunhão entre povo e estado, ancorados todos em valores autenticamente éticos, garantirá a construção de uma sociedade verdadeiramente justa e feliz. 
     Nossa história política se dividirá entre antes e depois do “mensalão”




As surpresas do Congresso
O XXI Congresso Espírita Pan-Americano (Santos/SP, 6 a 9 set.) foi realmente inovador e instigante. Das tantas surpresas reservadas aos congressistas, uma delas começou com a apresentação ao plenário de esquete teatral tendo por cenário um aeroporto. Personagens como: o passageiro com medo da queda do avião; membros de uma família em constante conflito; o geniozinho que tudo sabia de música, mas se negava a aprender espanhol; o deficiente que pedia esmola; e, finalmente, a faxineira que observava tudo e comentava baixinho: “Eu sei por que isso acontece”. 
Depois, todos os participantes do Congresso, em pequenos grupos, ocuparam diversas salas de aula da Universidade Santa Cecília para comentar a pequena peça teatral. Durante as discussões, outra surpresa: irrompia na sala um pequeno grupo vocal, entoando “Canto do Povo de um Lugar”, de Caetano Veloso, entremeado de versos de Fernando Pessoa e outros modernistas. Um clima em tudo e por tudo humano, para discutir um dos aspectos mais fascinantes da vida: a reencarnação.

Mitos que envolvem a reencarnação
Além de reunir espíritas de diferentes países em clima de muita fraternidade e troca de experiências, o que, por si só, já justificaria o evento, o Congresso da CEPA em Santos foi importante marco de quebra de mitos criados em nosso meio em torno da reencarnação.
No Ocidente, e, especialmente, na América Latina, o espiritismo detém quase que o monopólio da temática reencarnacionista, pelo menos em nível mais popular. Isso termina conferindo aos espíritas uma certa “autoridade” para “explicar” os fenômenos da vida a partir da reencarnação. Resulta daí que todos e quaisquer acontecimentos, os da vida pessoal, os de cunho social ou, até mesmo, os fenômenos meteorológicos, tendem a ser interpretados, por muitos espíritas, a partir de um rígido esquema de causa e efeito espirituais, onde, frequentemente, a culpa está presente, impondo a necessidade de dolorosos resgates.

“Eu sei por que isso acontece”
A vida, no entanto, é bem mais rica, mais dinâmica e tem objetivos muito maiores do que aqueles supostamente vistos pela faxineirinha do aeroporto que dizia saber o porquê de tudo o que ocorria em sua volta. Um acidente biológico ou aéreo que ceifa vidas, a riqueza ou a pobreza, a genialidade ou a ignorância: episódios da vida que, em qualquer circunstância, podem somar para a evolução e o progresso, sem que estejam, necessariamente, ligados a anteriores causas reencarnatórias. É preciso mudar o foco. O grande objetivo da reencarnação é o aprendizado. Viver é sempre uma aventura que comporta erros ou acertos, eventos planejados ou casuais, fatos minuciosamente articulados ou resultantes de meros acidentes. O importante é que, no fim – se é que há um fim -, tudo dará certo. Mais importante ainda: com o conhecimento amealhado pelo espírito, vida após vida, cada um vai ampliando seu livre-arbítrio e se tornando o verdadeiro artífice do próprio destino, substituindo culpa por responsabilidade.

Doutrinário, mas não doutrinante
O que não se constitui em surpresa no Congresso de Santos foi a constatação de que, no espiritismo brasileiro e mundial, há um crescente segmento cada vez mais voltado a quebrar tabus. Essas pessoas estão dispostas à construção de ideias com participação coletiva. Como muito bem referiu Eugenio Lara, citando José Rodrigues, no vídeo que homenageava este juntamente com Jaci Regis, os congressos devem ser doutrinários e não doutrinantes. Um congresso espírita doutrinário é o que possibilita essa troca de ideias livres entre pessoas que estudam, refletem e crescem juntas, a partir de propostas kardecianas. Um congresso doutrinante será aquele que, simplesmente, transmite verdades prontas, acabadas e imutáveis. Aquelas que viram ou já viraram mitos.
 
Presidente da USE/Santos,
no Congresso da CEPA:
“Juntos podemos fazer muito mais".
Atendendo convite formulado pela Comissão Organizadora do XXI Congresso Espírita Pan-Americano, o Presidente da USE Santos – União das Sociedades Espíritas de Santos, Nilton Starnini (foto), compareceu ao ato inaugural do evento e à reinauguração da Praça Allan Kardec. Naquele ato público que teve a participação do Prefeito Municipal da cidade, foi descerrada uma placa alusiva à realização do Congresso da CEPA. Além do presidente da Comissão Organizadora do Congresso, Ademar Arthur Chioro dos Reis, fizeram uso da palavra, na oportunidade, o Presidente da CEPA, Dante López, o Prefeito Municipal, João Paulo Tavares Papa, e o Presidente da USE/Santos.
Em seu discurso, Starnini, que representa, na região, a União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo, integrante do Conselho Federativo Nacional da Federação Espírita Brasileira, consignou que aquele era um momento “por demais significativo e muito importante” para o movimento espírita da região, já que duas instituições, USE e CEPA, “que carregam a bandeira do Espiritismo, estão, finalmente, se colocando lado a lado, novamente”. Proclamando que “juntos, podemos fazer muito mais”, Starnini frisou em seu pronunciamento: “Estamos hoje virando as páginas do passado e passamos a escrever as páginas do presente, com amor, compreensão, respeito ao livre pensar, como nos exemplificou o próprio Sr.Allan Kardec”.
Por iniciativa de Salomão Jacob Benchaya, da equipe de redação deste jornal, após o evento, foi feita com Nilton Starnini a entrevista que a seguir reproduzimos:

Opinião - Sua presença no XXI Congresso Espírita Pan-Americano foi unanimemente interpretada como uma atitude genuinamente espírita em favor da união e da fraternidade. Gostaríamos que falasse sobre os motivos que o levaram a participar do evento.
Starnini -  Além da nossa presença ter refletido a minha vontade pessoal e de toda a diretoria da USE - Intermunicipal de Santos, não poderíamos deixar de aplicar, em concreto, os preceitos de fraternidade que divulgamos em nossas atividades espíritas. Nossa presença no XXI Congresso da CEPA sela uma aproximação que se pautará no respeito aos pensamentos e às ideias de ambas as  entidades, sem que percamos nossas identidades doutrinárias. Dessa forma, poderemos divulgar a doutrina espírita segundo nossas convicções, mas sem causar à sociedade a impressão de uma separação insuperável entre duas entidades que, na realidade, representam a mesma verdade, aquela revelada pelo Sr. Allan Kardec.
Opinião - De parte de seus companheiros da Administração da USE como foi interpretada sua iniciativa?
Starnini - Não foi uma decisão isolada do presidente da USE - Intermunicipal de Santos. Ela foi debatida e unanimemente aprovada, não só pela diretoria, mas também pelas Casas Espíritas que se fizeram representar na reunião em que deliberamos sobre a nossa presença.

 Opinião - Qual sua impressão a respeito do Congresso da CEPA realizado em Santos?
 Starnini - Toda iniciativa de divulgação da doutrina espírita, em qualquer de seus aspectos, é para nós muito bem vinda e homenageada, sobretudo porque se constitui em uma das principais finalidades da USE, que está consagrada em nossos estatutos sociais e nas palavras do Emérito Codificador.

 Opinião - Qual sua opinião sobre o caráter que a CEPA imprime ao espiritismo, por ela tratado como uma proposta laica e livre-pensadora?
 Starnini - A CEPA cumpre seu necessário papel junto àqueles que compartilham com o pensamento de uma proposta laica para a doutrina espírita. Nós respeitamos profundamente as diferenças porque sabemos que elas ensejam o debate. Através dos debates surgem as grandes ideias e soluções para situações controvertidas. O debate de ideias faculta aos intérpretes alinharem-se a esta ou àquela corrente de pensamento, segundo suas convicções. Esta é a verdadeira liberdade, uma das leis morais mais revelantes expostas por Kardec.De nossa parte, não podemos nos divorciar do aspecto religioso da doutrina espírita, que está assentado no Código Moral de Jesus, porquanto estamos mergulhados nesse convencimento íntimo, que vem complementar, sentimental e emocionalmente, o maravilhoso arcabouço científico e filosófico que a doutrina nos oferece.

 Opinião - Que mensagem v. endereçaria aos líderes espíritas brasileiros?
 Starnini - Que nos respeitemos mutuamente e nos somemos combatendo as angústias, as aflições e os conflitos íntimos que encontram morada nas consciências humanas, através de uma mensagem de despertamento para os reais valores da vida, sedimentados no espírito imortal.



Ecos do Congresso da CEPA
Com a participação de diversos integrantes do CCEPA, presentes no Congresso da CEPA, duas palestras públicas tiveram como tema a repercussão daquele evento espírita internacional. Na tarde de 19 de setembro (15h) e na noite de 1º de outubro (20h30), no auditório do Centro Cultural Espírita, o presidente da instituição, Milton Medran Moreira (foto) fez uma síntese do evento espírita de Santos. Antes, Salomão Jacob Benchaya, Diretor do Departamento Doutrinário, projetou algumas fotos tomadas no Congresso e detalhou aspectos de sua organização formal.
Para Medran, que participou de todos os eventos oficiais da CEPA, desde 1996, “este foi o melhor Congresso e marcou, com clareza e objetividade, o pensamento progressista da CEPA acerca do importante tema da reencarnação”. Acrescentou que “provavelmente, na história do espiritismo, nunca um congresso tratou tão amplamente do tema reencarnação como este”.
A contribuição de Santa Maria/RS
ao Congresso de Santos
Além da participação dos nomes referidos em nossa edição passada, pertencentes ao Centro Cultural Espírita de Porto Alegre e S.E. Casa da Prece (Pelotas), na programação de trabalhos do XXI Congresso Espírita Pan-Americano (Santos/SP, 6 a 9 de setembro), também a cidade gaúcha de Santa Maria contribuiu com o evento.
Integrantes da S.E. Estudo e Caridade, daquela cidade, Carmen Marchetti e Glória de Lourdes Chagas (foto) apresentaram, no Fórum de Temas Livres, trabalho com o título de- “A Odisséia de um Espírito que se tornou ovóide”.

Em novembro, palestra: Maneiras de Pensar
O expositor e dirigente espírita Aureci Figueiredo Martins (foto) é o convidado do CCEPA para a conferência pública da primeira segunda-feira de novembro (dia 5, às 20h30). Sob o título “Maneiras de Pensar”, Aureci abordará a evolução do pensamento ingênuo e acrítico para a racionalidade crítica. A entrada é franca e todos são bem-vindos.



Emiliana de Mesquita Spinola
Agradeço, em nome da família Spinola, do Centro de Estudos Espíritas José Herculano Pires e do CPDoc, a bela homenagem póstuma prestada à nossa querida Emiliana de Mesquita Spinola na edição de agosto do Boletim América Espírita, deixando registrada a bela marca de trabalho e simpatia que ela deixou para todos nós.
Mauro de Mesquita Spinola, diretor-conselheiro do Centro de Estudos Espíritas José Herculano Pires – São Paulo/SP.
Senso IBGE e artigo
Parabenizo-lhes pela edição de agosto desse jornal, seja pela análise do senso do IBGE que faz o seu editor, seja pelo belíssimo artigo de Lourenço Sanches, de alto teor reflexivo.
Tomo a liberdade de propor um artigo no sentido de contribuir com o Opinião se julgarem oportuno.
Vinícius Lima LousadaBento Gonçalves/RS.
N.R. Em “Enfoque” da próxima edição, publicaremos o artigo “Ciência Espírita e Colaboração Interexistencial”, de Vinicius Lousada.
Senso crítico e compreensão libertadora
Parabéns pelos excelentes artigos do Opinião. O Espiritismo carece de olhares tão pertinentes quanto o de vocês. O senso crítico e a busca por uma compreensão mais libertadora que se nota é fundamental para o desenvolvimento da Doutrina. Muito bom.
Adenáuer Novaes – Salvador/BA.

Um comentário:

Concordo que o julgamento da AP470 no STF, o chamado mensalão, marca um momento histórico importante. Porém, tenho sérias dúvidas quanto às consequências deste momento. Está sendo criada uma nova jurisprudência que passa por cima de princípios básicos do direito. A Justiça está indo a reboque da mídia oposicionista. O Procurador Geral da República já nem disfarça mais o desejo de ver refletida nas urnas a condenação dos réus.
Responder

III Encontro Nacional da CEPA Brasil

30 de maio a 02 de junho de 2013 – João Pessoa/Conde-PB

aruana As inscrições para o III Encontro Nacional da CEPA Brasil já estão abertas. Entre na página de inscrição, que nela você encontra o formulário a ser preenchido, bem como as instruções para pagamento da mesma. Não deixe de participar! Aproveite para conhecer melhor o local do evento: http://www.aruanapousada.com.br/
LogoCEPABRASIL_orig A ASSEPE, a CEPA Brasil e a CEPA, convidam todas as pessoas interessadas em participar do nosso evento de confraternização e estudo. O III encontro será num lugar paradisíaco, onde as limpas águas do litoral paraibano privilegiam-nos com sua bela paisagem e temperatura ideal durante o ano todo.

Artigos Destacados

aruana
LogoCEPABRASIL_orig

Busca no site

Twitter

RSS not configured
Apoios

Dúvida? Entre em contato